quarta-feira, 5 de setembro de 2012

Ir-Mãos

05 de setembro, Dia do Irmão... nos INsanidades uma data como esta não poderia passar em branco, pois é de família que se constitui o in e o out deste louco poeta que vive a liberdade da busca da paz, amor e esperança.
Já disse aqui outras vezes que de amor fui feito da cabeça aos pés, mas são as mãos destes que esculpem a minha caminhada e sonho, pois quando levanto, caio, ou paraliso são neles que encontro o direto ou indireto, o tímido ou o simples de orgulho do "vai e conquiste-se em descoberta e descubra um novo mundo que pode não apenas ser seu, mas ser nosso."


À Mateus e Raquel Braga os meus co-sanguíneos e Gabriela Bonomo, Juliana Campos, Marco Antônio Abreu, Everton Penna, Gabriel Menezes e Pedro Lima, os meus co-cardios (isto foi inventado por mim, insanamente, rs), o meu amor de irmão...


Marco Antônio
 Ir-Mãos

Sem eles eu não seria eu
E sem o eu o meu ser seria vazio
Ou cheio de todo ar que poderia ser
Mas nunca inspirará vida
Me dão vidas
São como a respiração que me alimenta
Que invade as partes mais internas deste ser franzino
Everton 
Células, tecidos, orgãos, pele
E eu nem percebo muitas vezes
São reais e presentes sem anúncios
São escolhas
São sangue
São acaso ou casos
Sentimentos nobres que nem se percebe sentir
Naturais
Gabriela e Alice
Pontuais
Leais 
Surreais
São brigas
Desaforos que levamos pra casa
São roupas estendidas no varal
São entendimentos
Ir. Onde irei?
Ir. Onde serei em paz?
Ir. Se tenho pés?
Juliana
Não
Ir pois tenho mãos
As suas mãos
Que direcionam em confusão
Que abraçam em solidão
Que levantam e me refaz




Um comentário: